• livros indicados >
  • sites
 

 

Clique sobre o assunto de seu interesse

Administração de RH
Administração Estratégica

Administração Geral
Comportamento Organizacional
Comportamento Social
Comunicação
Cultura Organizacional

Empreendedorismo
Estratégia
Gestão

Gestão de Pessoas
Gestão Brasileira
Gestão do Conhecimento

Inovação nas Empresas
Motivação
Mudança Organizacional
Psicopatologia (Doenças do trabalho)
Qualidade
Reengenharia
Treinamento Organizacional

Livros recomendados e classificados por Maria Alice Ferruccio, Professora Adjunta da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com experiência na área de Engenharia de Produção, ênfase em Gerência de Produção, atuando em: Estratégia Empresarial, Mudanças e Cultura Organizacional.



Administração de Recursos Humanos


Bohlander, Snell, Sherman (2003). Administração de Recursos Humanos. São Paulo: Pioneira Thomson Learning

Administração Estratégica


Hitt, M A., Ireland, R. D. e Hoskisson, R. E. (2003). Administração Estratégica. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Administração Geral


DAFT, R. L. (1999). Administração. 4. Ed. Rio de Janeiro: Ed. LTC – Livros Técnicos e Científicos.
DONNELLY, Jr., J.H. & GIBSON, J.L. & IVANCEVICH, J.M (2000). Administração: Princípios de Gestão Empresarial. Rio de Janeiro : McGraw Hill.
STONER, J. A. F. & FREEMAN, R. E. (1985). Administração.5. ed. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil.

GIL, A.C.( 1994). Administração de Recursos Humanos: um enfoque profissional. São Paulo : Atlas.

Comportamento Organizacional


ANDREW, J. DuBRIN (2003). Fundamentos do Comportamento Organizacional. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.
BAND, W. A. (1997). Competências críticas: dez novas idéias para revolucionar a empresa.Rio de Janeiro: Campus
SCHEIN, E. H. (1982). Psicologia organizacional. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil.
SCHERMERHORN, JR. J. R. , HUNT, J. G. & OSBORN, R .N. (1999). Fundamentos de comportamento organizacional. Porto Alegre: Bookman.
WAGNER III, J.A. & HOLLENBECK, J.R. (1999). Comportamento organizacional: criando vantagem competitiva. São Paulo: Editora Saraiva.

ARGYRIS, C. (1960). Understanding organizational behavior. Homewood, Ill.: Dorsey.
CORREA, Carlos. A sexta disciplina: Simulação de Cenários Alternativos na Empresa que Aprende, Rio de Janeiro: CEFET-RJ, 1998.
Adizes, Ichak . Tradução Carlos Afonso Malferrari. Ciclos de Vida nas Organizações e Por Que as Empresas Crescem e Morrem? O Que Fazer a Respeito? SP - Editora Pioneira - 1990.

BALCÃO, Y. F., CORDEIRO, L. L. (1967). O comportamento humano na empresa. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.
HOMANS, G.(1961). Social behavior: its elementary forms. New York: Harcourt, Brace.
SCHEIN, E. H. (1989). Organizational culture and leadership; a dynamic view.. São Francisco: Jossey Bass.
SCHEIN, E. H. (1983). How can organizations learn faster? The challenge enterring the green room. Sloan Management Review, Winter.
SROUR, R.H. (1998). Poder, cultura e ética nas organizações. Rio de Janeiro: Campus.
TORRES, O. L. S. (1996). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. Vols I, II, III.São Paulo : Atlas

Comportamento Social


HOMANS, G.(1961). Social behavior: its elementary forms. New York: Harcourt, Brace.

Comunicação


ARGYRIS, C., BARTOLOMÉ, F., ROGERS, C. R. et alli (1999). Comunicação eficaz na empresa: como melhorar o fluxo de informações para tomar decisões corretas. / (coletânea de artigos da revista) Harvard Business Rewiew; tradução Talita Macedo Rodrigues. `Rio de Janeiro: Campus

Cultura Organizacional


MOTTA, F. C. P.; CALDAS, M. P. (1997). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas.

FLEURY, M. T. L., & FISCHER, R.M. (Orgs.) (1989). Cultura e poder nas organizações . São Paulo: Atlas.
HOFSTEDE, G. (1984). Culture's consequences: international differences in work-related values. Londos : Sage Publications.

Empreendedorismo


DORNELAS, J.C.A. (2001). Empreendedorismo: Transformando Idéias em Negócios. Rio de Janeiro: Campus.

Estratégia


HAMEL, G.; PRAHALAD, C. K. (1997). Competindo pelo Futuro : estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro : Campus.
JOHNSON, G.; SCHOLES, K. (1989). Exploring Corporate Strategy - Texts and Cases. Prentice Hall International (UK) Ltd.
KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. (1997). A Estratégia em ação: balanced scarecard. Rio de Janeiro : Campus.
MINTZBERG, H. A., AHLSTRAND, B. & LAMPEL, J. (2000). Safari de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento. Porto Alegre: Bookman.
PORTER, M. E. (1990). Vantagem Competitiva: Criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro : Campus.
PORTER, M. E. (1996). What is strategy. Harvard Business Review, Novembro-Dezembro de 1996.
PORTER, M. E. (1999). Competição on Conpetition: vantagens competitivas essenciais. Rio de Janeiro : Campus.

Gestão


DRUCKER, P. F. (1967). O Gerente eficaz. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.
FLEURY, M.T.L. (coord.), As Pessoas na Organização. São Paulo, Editora Gente, 2002.
PÉREZ LÓPEZ, J. Fundamentos de la Dirección de Empresas, Madrid, Ediciones RIALP, 1996.

Gestão Brasileira


BETHLEM, A. S. (1989). Gerência à brasileira. São Paulo: McGraw-Hill.

Gestão de Pessoas


BECKER, B.E. & HUSELID, M.A. & ULRICH, D. (2001). Gestão de Pessoas com “Scorecard”. Rio de Janeiro: Campus.
CHIAVENATO, I. (1994). Gerenciando pessoas: o passo decisivo para a Administração Participativa. 3. ed. São Paulo: Makron Books.
ULRICH, D. (1998). Os campeões de recursos humanos: inovando para obter os melhores resultados. São Paulo: Ed. Futura.

Chiavenato, Idalberto. Recursos Humanos, Edição Completa. Editora Atlas.

CHIAVENATO, I. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações.Rio de Janeiro: Campus, capítulo 3, 1999.

Gestão do Conhecimento


CAVALCANTI, M.C.B.; GOMES, E.B.P.; NETO, A.F.P. Gestão de Empresas na Sociedade do Conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

NONAKA. (1991). The Knowledge Creating Company. Harvard Business Rewiew 79, novembro-dezembro de 1991, pp. 97-109.

Inovação nas Empresas


FLEURY, A. & FLEURY, M. A.T. L.(1997). Aprendizagem e inovação organizacional: as experiências de Japão, Coréia e Brasil. São Paulo: Atlas.

Motivação


HERZERB, F., MAURSNER, B.& SNYDERMAN, B.B..(1956) The Motivation to Work John Willey & Sons, New York.
MASLOW, A. H.. (1956). Motivation and Personality. Harper, New York.

Mudança Organizacional


MORAES, A.M.P.; TOMEI, P.A. The Function of Human Resources in Brazil, III International Workshop in Human Resources Management: in what ways have we changed? Seville: May 16-18, 2001
MOSCOVICI, F. (1988). Renascença Organizacional. Rio de Janeiro: LTC- Livros Técnicos e Científicos.

Psicopatologia – Doenças do trabalho


DEJOURS, C.(1988). A loucura do trabalho. 3ª edição. São Paulo: Cortez Editora.
DEJOURS, C.; ABDOUCHELI, E.; JAYET, C. (1994). Psicodinâmica do Trabalho: contribuição da escola dejouriana à análise da relação prazer. São Paulo: Atlas.
JASPERS, K. (1963). Psicopatología General. Buenos Aires, 1963.

Qualidade


DEMING, W.E. (1990). Qualidade: a revolução da administração. Rio de Janeiro : Marques-Saraiva.
JURAN, J. M. (1990). Juran na Liderança pela Qualidade: um guia para executivos. São Paulo : Pioneira.
JURAN, J. M. (1992). A Qualidade desde o projeto: novos passos para o planejamento da qualidade em produtos e serviços. São Paulo: Pioneira.

Reengenharia


HAMMER, M.; CHAMPY, J. Reengenharia – revolucionando a empresa. Rio de Janeiro, Ed.Campus, 1994.

Treinamento Organizacional


RAMOS, Cosete (1991). Simulações e jogos para formação e treinamento de Administradores. Brasília : ENAP.

 

 

 
2008 © gn2 - grupo de novos negócios
design de Flavio Wuensche